Google
 

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Carro para Cegos em 2011



Os pesquisadores adaptaram inicialmente um buggy para o experimento com os motoristas cegos.


Quem lembra da incrível no filme “Perfume de Mulher” em que o ator Al Pacino interpretando um cego dirige uma Ferrari em alta velocidade?
Pois no futuro poderá ser comum os cegos dirigirem, sem obviamente os riscos que o personagem do filme correu: Pesquisadores da Universidade Virginia Tech, juntamente com a Federação Nacional dos Cegos dos Estados Unidos, planejam apresentar em 2011 o protótipo de um carro totalmente adaptado às necessidades dos portadores de deficiências visuais.
No filme com Al Pacino, o amigo  do personagem apavorado no assento do passageiro ia dando informações de quando o cego deveria fazer as curvas ou frear o veículo.
Já o modelo idealizado pelos pesquisadores tem o objetivo de que o proprietário cego conduza o automóvel sem qualquer ajuda de terceiros.

Um recurso conhecido como “interface não visual” vai permitir a façanha. Tratam-se de sensores que registram todos os acontecimentos ao redor do veículo enviando mensagens para um sistema central que vai orientar o motorista. Um exemplo de recurso serão as chamadas luvas vibratórias - que vão alertar o motorista sobre curvas no trajeto.
“Os testes podem mostrar ao público que os cegos possuem as mesmas capacidades de demais pessoas”, explica o presidente Federação, Marc Maurer, segundo reportagem do site de notícias sobre tecnologia TG Daily.
O primeiro carro adaptado para ser dirigido por cegos  será apresentado na pista de corrida de Daytona, na Flórida, em janeiro de 2011. Um Ford Escape deverá ser o carro utilizado para testar a adaptação.


Fonte: Revista VEJA

Aviso

Os textos e fotos deste blog somente poderão ser reproduzidos mediante autorização por escrito de seus autores. Se você encontrar aqui algum texto ou foto que esteja infringindo algum direito seu ou de outrem avise-nos deixando um comentário junto ao post que retiraremos assim que for constatada a irregularidade.