Google
 

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Gol Rallye da Volkswagen disputa mercado com rivais Fiat Way e Renault Sandero Stepway

Ameaçada pela rival Fiat que alavancou a venda do Novo Uno desde seu lançamento em maio, a Volkswagen reedita o Gol Rallye  com o objetivo de manter seu status de carro mais vendido no Brasil.
A disputa de vendas entre o Uno e o Gol vem sendo cada vez mais acirrada e teria chegado a apenas 200 unidades na primeira quinzena de setembro (em média são comercializadas 750 unidades dos dois veículos por dia).
A versão Off-road do Gol deu certo no passado pois chegou às 13 mil unidades vendidas nos dois anos seguintes ao seu lançamento que ocorreu em 2004. Em 2007 o Gol Rallye foi relançado numa edição limitada a três mil modelos. A  Volkswagen diz que desta vez o consumidor é quem vai definir quanto tempo o modelo ficará no mercado bem como o número de unidades a serem produzidas e antecipam a expectativa de que a nova versão deverá ficar com 5% do total de vendas do Novo Gol.
Dois carros estão na frente do Gol Rallye na disputa pelo mercado dos hatches ‘offroad’: O Renault Sandero Stepway lançado em 2008  e o Uno Way, que representa 23% do mix de vendas do modelo segundo dados da própria Fiat.
Em termos de preço o Uno é um pouco mais caro pois com motor 1.4, parte de R$ 32.480 e pode chegar a R$ 36.321 para chegar numa configuração semelhante ao do Gol com desembaçador, ar quente, direção hidráulica, preparação para som e alto-falantes, mais vidros dianteiros elétricos, faróis de neblina, rodas de liga-leve e adesivos na carroceria.
Já o Gol Rallye oferecido apenas com motor 1.6 inicia em R$ 40.370 trazendo como extra itens que não estão na lista de opcionais da Fiat como sensor de estacionamento, regulagem de altura e profundidade do volante e repetidores de setas nos retrovisores. Se for adicionado ar-condicionado,  o novo compacto da Fiat sobe para R$ 38.518 enquanto o da Volks sobe para R$ 43.030, na versão com câmbio manual e R$ 45.690 com a transmissão automatizada (I-Motion), mesmo valor do Sandero Stepway,  que está disponível apenas na versão 1.6 manual, mas que vem com rodas de 16 polegadas, pneus de uso misto, barra de teto e estribos laterais.
Para diferenciar as três opções que tem preços semelhantes é importante considerar outros fatores. O Gol Rallye por exemplo teve sua suspensão aumentada ficando mais alto 28 mm do solo. Tendo em vista a altura maior que prejudicaria a estabilidade nas curvas, a Volkswagen fez alterações adotando novas molas e amortecedores mais duros e rodas de 15 polegadas além de pneus com perfil mais baixo em relação a versão normal.
O Gol Rallye traz alterações na cabine visando o estilo esportivo. Traz revestimento interno do teto e das colunas em tom preto, assentos e as portas cobertos com novo tecido, painel com pintura texturizada e LEDs para iluminar os comandos e o quadro de instrumentos além de luzes de leitura individuais para os passageiros do banco de trás. Além disso, o novo Gol traz adesivos na parte inferior da lateral,  grade preta com faixa prata trazendo o nome da versão, a exemplo do Saveiro Cross. O carro conta ainda com para-choque com faróis de neblina integrados, aerofólio traseiro, ponteira do escapamento cromada e lanternas escurecidas. Entre as 5 opções de cores, a novidade é a cor amarelo,apelidada de Solaris.
A acirrada competição da Volkswagen e da Fiat vai além do status de carro mais vendido do Brasil. O Gol Rallye e o Fiat Way disputam também quem será o líder do segmento de ‘aventureiros leves’, mercado que cresceu  cresceu 463% de 2005 a 2009 segundo a própria Volkswagen. A Fiat, pioneira do mercado offroad por ter lançado o Palio Adventure em 1999,  está atrás da Volkswagen que com CrossFox lidera o mercado.
Fonte: G1.com



segunda-feira, 12 de julho de 2010

Carro para Cegos em 2011



Os pesquisadores adaptaram inicialmente um buggy para o experimento com os motoristas cegos.


Quem lembra da incrível no filme “Perfume de Mulher” em que o ator Al Pacino interpretando um cego dirige uma Ferrari em alta velocidade?
Pois no futuro poderá ser comum os cegos dirigirem, sem obviamente os riscos que o personagem do filme correu: Pesquisadores da Universidade Virginia Tech, juntamente com a Federação Nacional dos Cegos dos Estados Unidos, planejam apresentar em 2011 o protótipo de um carro totalmente adaptado às necessidades dos portadores de deficiências visuais.
No filme com Al Pacino, o amigo  do personagem apavorado no assento do passageiro ia dando informações de quando o cego deveria fazer as curvas ou frear o veículo.
Já o modelo idealizado pelos pesquisadores tem o objetivo de que o proprietário cego conduza o automóvel sem qualquer ajuda de terceiros.

Um recurso conhecido como “interface não visual” vai permitir a façanha. Tratam-se de sensores que registram todos os acontecimentos ao redor do veículo enviando mensagens para um sistema central que vai orientar o motorista. Um exemplo de recurso serão as chamadas luvas vibratórias - que vão alertar o motorista sobre curvas no trajeto.
“Os testes podem mostrar ao público que os cegos possuem as mesmas capacidades de demais pessoas”, explica o presidente Federação, Marc Maurer, segundo reportagem do site de notícias sobre tecnologia TG Daily.
O primeiro carro adaptado para ser dirigido por cegos  será apresentado na pista de corrida de Daytona, na Flórida, em janeiro de 2011. Um Ford Escape deverá ser o carro utilizado para testar a adaptação.


Fonte: Revista VEJA

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O Galpão dos Carros Antigos


A história que circulou na Internet durante um bom tempo dizia que um empresário comprou num leilão uma fazenda que tinha um galpão lacrado sobre o qual se desconhecia o que tinha dentro. O boato segue dizendo que ao mandar abrir o tal galpão comprado baratinho no leilão, o tal empresário teve uma grata surpresa: no seu interior havia uma coleção de carros antigos que valem uma fortuna.

É uma bonita história mas não corresponde a verdade. As fotos que circulam na rede são da coleção particular do português  Antônio Ferreira de Almeida. Ele começou a colecionar carros na década de 1970, quando começou a comprar alguns modelos dos anos  50 e 60.
Hoje sua coleção tem aprocimadamente 200 automóveis, na maioria modelos europeus.

O tal galpão da lenda que circulou (e circula) na internet fica em local desconhecido e está realmente cheio de carros clássicos de marcas como  Lancia, Alfa-Romeo, Lótus, Jaguar, Triumph, MG, Austin, Morris, Facel Veja, Citroén, Simca, Peugeot, Mercedes-Benz, BMW, Opel, Porsche, Volvo e várias raridades como o Bristol 405 1954 ou o Saab 92B, o primeiro modelo da marca a ser vendido em Portugal.

Na coleção há desde carros americanos como Cadillacs, Buicks, Packards, Oldsmobiles, Chevrolets, Fords e Nashs até modelos de marcas japonesas, raros como o Honda S800 1967 e o Datsun 240 Z 1972.

Segundo o site http://www.maxicar.com.br/  tal português separou 20 carros para ele e o resto ele vai vender. Ele possui a empresa Clássicos, LTD (http://www.classicosonline.com/) onde está anunciandos os carros aos poucos de acordo com a sua proximidade das portas do enorme galpão, devido à facilidade de limpeza, mobilidade e manutenção.

Aviso

Os textos e fotos deste blog somente poderão ser reproduzidos mediante autorização por escrito de seus autores. Se você encontrar aqui algum texto ou foto que esteja infringindo algum direito seu ou de outrem avise-nos deixando um comentário junto ao post que retiraremos assim que for constatada a irregularidade.